População desempregada soma 12,7 milhões de pessoas, diz IBGE
30/11/2017 - 11h07 em EMPRESARIAL

Apesar da melhora recente, o Brasil ainda contava com 12,740 milhões de pessoas em busca de emprego no trimestre encerrado em outubro, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta quinta-feira. O resultado significa que há mais 698 mil desempregados em relação a um ano antes, o equivalente a um aumento de 5,8%. Por outro lado, o total de ocupados cresceu 1,8% no período de um ano, o equivalente à criação de 1,662 milhão de postos de trabalho.

 

Como consequência, a taxa de desemprego passou de 11,8% no trimestre até outubro de 2016 para 12,2% no trimestre encerrado em outubro de 2017. Em outubro, o País tinha 230 mil brasileiros a menos na inatividade, em relação ao patamar de um ano antes. O recuo na população que está fora da força de trabalho foi de 0,4% ante o mesmo período de 2016. O nível da ocupação, que mede o porcentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, foi estimado em 54,2% no trimestre terminado em outubro.

 

Setores

 

A construção cortou 161 mil postos de trabalho no período de um ano, segundo dados da Pnad Contínua. O total de ocupados na atividade encolheu 2,3% no trimestre até outubro de 2017 ante o mesmo período de 2016. Também houve corte de vagas no setor de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, com menos 419 mil empregados, um recuo de 4,7% no total de ocupados, e no segmento de administração pública, defesa, seguridade social, educação, saúde humana e serviços sociais, com menos 20 mil vagas, o equivalente a uma ligeira queda de 0,1% na ocupação.

 

Na direção oposta, a indústria criou 290 mil vagas no período de um ano, uma alta de 2,5% no total de ocupados no setor no trimestre encerrado em outubro ante o mesmo trimestre de 2016, segundo o IBGE. O comércio contratou 392 mil empregados, alta de 2,3% na ocupação no setor. A atividade de Informação, comunicação e atividades financeiras, imobiliárias, profissionais e administrativas - que inclui alguns serviços prestados à indústria - registrou um crescimento de 540 mil vagas em um ano, 5,6 de ocupados a mais. Também houve aumento no contingente de trabalhadores de

alojamento e alimentação (+494 mil empregados), outros serviços (+269 mil pessoas), transporte, armazenagem e correio (+154 mil ocupados) e serviços domésticos (+104 mil empregados).

 

Fonte: Correio do Povo

COMENTÁRIOS